5 verdades sobre a hipertensão

Você sabia que pessoas solitárias sofrem mais de pressão alta? E que suco de laranja pode prevenir a doença? Então, comece a ler agora a matéria que Vivasaúde preparou para ajudá-lo no combate à doença que mata 300 mil brasileiros por ano.

Uma inimiga que ataca lenta e silenciosamente. É assim que, na maioria das vezes, os médicos se referem à hipertensão. Mais popularmente conhecida como pressão alta, já pode ser considerada o principal fator de risco para a saúde do brasileiro. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, a proporção de brasileiros diagnosticados com hipertensão arterial cresceu de 21,5%, em 2006, para 24,4%, em 2009. Ou seja, 1 em cada 4 brasileiros sofre de pressão alta. O pior, alerta a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), é que apenas 10% dos hipertensos brasileiros seguem tratamento adequado. Cerca de 1/3 deles nem desconfia que tenha a doença.

“No Brasil, a hipertensão já é responsável por 47% dos infartos, 54% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) e 37% dos casos de insuficiência renal. Atualmente, a doença mata 7,6 milhões de pessoas por ano, em todo o mundo. Só no Brasil são 300 mil mortes que poderiam ser evitadas”, alerta o cardiologista Marcus Bolívar Malachias, da SBC. Para combater essa “inimiga silenciosa”, a SBC está empreendendo uma verdadeira cruzada contra a doença. Com o apoio de outras entidades médicas, como a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), está lançando a campanha Eu Sou 12 por 8. O objetivo é alertar a população para os riscos da hipertensão não controlada.

“A hipertensão é conhecida como inimiga silenciosa e não é à toa. Na maioria das vezes, ela é assintomática, ou seja, não apresenta sintomas. Pessoas obesas, diabéticas, sedentárias, submetidas a estresse constante, que tenham parentes próximos com hipertensão, que fazem uso de álcool ou que consomem grande quantidade de sal são as que apresentam um maior risco de ter a doença”, avisa o cardiologista Luiz Aparecido Bortolotto, da SBH. Como a informação ainda é a melhor arma que pode existir contra toda e qualquer doença, a VivaSaúde separou cinco verdades que você precisa saber agora para ajudar a prevenir, diagnosticar, tratar e controlar a hipertensão.

ISSO É MITO!

A HIPERTENSÃO ARTERIAL TEM CURA.

Em 95% das vezes, a hipertensão não pode ser curada. Apenas controlada. Somente em casos muito específicos, como a remoção de um tumor suprarrenal, por exemplo, a hipertensão pode ser curada.

A DOENÇA APRESENTA SINTOMAS.

Pelo contrário. A hipertensão é assintomática. ou seja, não tem sintomas. Por isso, todo cuidado é pouco. Da próxima vez que for ao médico, peça a ele para medir a sua pressão.

SE A MINHA PRESSÃO ARTERIAL ESTÁ CONTROLADA, POSSO SUSPENDER A MEDICAÇÃO.

De maneira nenhuma. Quando isso acontece, a pressão tende a subir e o risco de complicação só faz aumentar. Só interrompa o tratamento por orientação médica. E nem faça uso de qualquer remédio por conta própria. A situação pode piorar.

TODO MEDICAMENTO PARA HIPERTENSÃO PREJUDICA O DESEMPENHO SEXUAL.

Nem todos. Somente alguns anti-hipertensivos costumam provocar impotência sexual. E, mesmo assim, quando usados em altas doses. Consulte seu médico.

A PRESSÃO ARTERIAL VARIA DE PESSOA PARA PESSOA.

Não. Independentemente do sexo, idade, peso ou altura, a pressão arterial ideal é 120/80. Mas 130/85 também é admissível. Acima desse valor é hipertensão e ponto final.

1 Mulheres sofrem mais com a doença do que homens

Sem sombra de dúvida, o câncer de mama ainda é o principal pesadelo das mulheres. Mas, curiosamente, a hipertensão já provoca seis vezes mais mortes. Segundo especialistas, a dupla jornada – no trabalho e em casa – é apontada como um dos principais responsáveis pelo aumento da prevalência de hipertensão entre elas. Mas há outros fatores de risco, como tabagismo e obesidade. De acordo com dados da vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (vigitel), pesquisa realizada com 54 mil adultos, 27,2% das mulheres declararam ter hipertensão. Entre os homens, o percentual foi de 21,2%. Mas por que isso? os motivos são vários. Um deles é a redução hormonal. Cerca de 80% das mulheres desenvolvem hipertensão arterial após a menopausa. “Na mulher, a hipertensão costuma ser até mais danosa do que no homem.

Afinal, quando ela sai do período fértil e entra na menopausa, perde um importante aliado: o estrógeno, que é um protetor natural do sistema arterial. Com isso, a partir de certa idade, a mulher tende a sofrer mais com a hipertensão do que o homem”, afirma Marcus Bolívar Malachias, da SBC. Um dado interessante é que, nas mulheres, os sintomas de infarto, uma das principais doenças cardiovasculares provocadas pela hipertensão, são diferentes dos apresentados pelos homens. Se os homens relatam dores no peito e formigamento no braço, as mulheres têm falta de ar, náuseas e dor no estômago.

2 Analgésicos e antiinflamatórios podem causar hipertensão

Um recente estudo da Universidade de Harvard, publicado na revista Archives of Internal Medicine, pode surpreender aqueles que gostam de tomar analgésicos ao menor sinal de dor de cabeça. Alguns remédios, como ácido acetilsalisílico e paracetamol, podem aumentar o risco de hipertensão quando tomados regularmente. Após dois anos de estudo, os voluntários que relataram tomar paracetamol até 22 dias por mês – ou seja, cinco vezes por semana – tiveram 34% mais probabilidade de desenvolver hipertensão do que os demais. Os que consumiram ácido acetilsalisílico regularmente registraram um aumento do risco de 26%. Mas os analgésicos não são os únicos medicamentos a provocar aumento na pressão arterial.

Segundo o mesmo estudo, os anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno e o naproxeno, aumentaram as chances de os pacientes sofrerem de pressão alta em 38%. “os anti-inflamatórios costumam contribuir para o aumento da pressão arterial porque inibem a produção da prostaglandina, substância que dilata os vasos sanguíneos e melhora o fluxo do sangue. Além disso, eles também retêm sódio no organismo”, explica Marcus Bolívar Malachias, da SBC, acrescentando que tais estudos apenas corroboram a tese de que todo e qualquer medicamento só pode ser tomado com prescrição médica.

3 Suco de laranja pode prevenir a pressão alta

Suco de laranja faz bem ao coração. Esta é a conclusão de um estudo desenvolvido pelo Grupo de Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Segundo a coordenadora do estudo, Thais Borges César, o suco de laranja ajuda a reduzir alguns dos principais fatores de risco de doenças cardiovasculares, como obesidade, hipertensão e colesterol. O estudo investigou o impacto da ingestão de suco de laranja na pressão arterial de 133 voluntários, 101 homens e 32 mulheres, com idade média de 39 anos. Durante um ano de consumo diário, os que beberam maior quantidade de suco de laranja, de 250 ml a 500 ml, apresentaram os melhores resultados, como pressão arterial normalizada e redução nos níveis de colesterol. “Se os alimentos ricos em sódio devem ser evitados, por reterem mais líquido no organismo e, consequentemente, aumentarem a pressão arterial, os ricos em potássio, como laranja, banana e mamão, devem ser fartamente consumidos por reduzirem os índices de pressão arterial”, recomenda o cardiologista Ivan Cordovil, do departamento de Pressão Arterial do Instituto Nacional de Cardiologia (INC). Já o cardiologista Heno Ferreira Lopes, da Unidade de Hipertensão do Instituto do Coração (Incor), acrescenta que as gorduras poliinsaturadas – encontradas em peixes de água fria, como salmão, atum e sardinha – também ajudam no combate à hipertensão.

4 As pessoas tendem a sofrer mais de hipertensão depois dos 60 anos

Pessoas acima dos 60 anos são fortes candidatas a desenvolverem hipertensão. O motivo, garante o cardiologista Ivan Cordovil do departamento de Pressão Arterial do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), é simples. Segundo ele, “os vasos que conduzem o sangue por todo o corpo tendem a endurecer após a sexta década de vida. Com isso, as artérias perdem a elasticidade e elevam o nível de pressão arterial do indivíduo”, esclarece. Para piorar a situação, o consumo abusivo de sal também compromete a chamada reatividade dos vasos sanguíneos. “A partir dos 60 anos, a tendência é que a pressão mínima (ou diastólica) se estabilize, mas que a máxima (ou sistólica) suba ainda mais”, garante o cardiologista Heno Lopes, do Instituto do Coração (InCor). Segundo dados do vigitel, o percentual de hipertensos não passa de 14% na população até os 34 anos. Dos 35 aos 44, sobe para 20,9% e, dos 45 aos 54, salta para 34,5%. O índice, porém, chega a atingir 50,4% entre os 55 e 64 anos. O tratamento no idoso não é lá muito diferente do das outras idades. Inclui, além de reduzir o consumo de sal, praticar atividades físicas, ter uma dieta saudável e abandonar o cigarro. Mas essas e outras medidas não devem ser seguidas apenas pelos mais velhos. Os mais jovens, quem diria, também estão propensos a sofrer de pressão alta. “Filhos de pais hipertensos têm grande probabilidade de serem hipertensos também”, avisa Heno Lopes.

5 Uma vida solitária pode levar à hipertensão

Isso mesmo. De acordo com cientistas do Centro de Neurociência Cognitiva e Social da Universidade de Chicago, nos EUA, a solidão pode tornar as pessoas mais propensas a desenvolver a pressão alta. Principalmente aquelas que têm mais de 50 anos de idade. Durante cinco anos, a equipe da pesquisadora Louise Hawkley acompanhou o dia a dia de 229 voluntários, todos eles entre 50 e 68 anos. Nesse período, o grupo respondeu a diversas perguntas do tipo: “Tenho algo em comum com as pessoas ao meu redor?”, “Minhas relações sociais são superficiais?” e “Eu posso encontrar companhia quando quiser?”.

Segundo a responsável pelo estudo, publicado na Psychology and Aging, a associação entre solidão e pressão alta tornou-se evidente já nos primeiros dois anos de pesquisa. Mas, ao longo do estudo, foi possível constatar que até mesmo níveis modestos de solidão já eram suficientes para provocar um aumento significativo da pressão arterial dos voluntários. “Fatores ambientais, como o estresse psicossocial, por exemplo, são gatilhos que disparam a hipertensão arterial. A exemplo de outros elementos, como a depressão e a ansiedade, a solidão também pode contribuir, e muito, para o aumento da pressão arterial”, analisa Marcus Bolívar Malachias, da SBC. Uma curiosidade: se no Brasil o número de hipertensos é de 30 milhões, nos EUA esse número já ultrapassou a casa dos 60 milhões.

Quais são os níveis considerados normais de pressão?

Pressão normal – 130/85.

Pressão ótima – 120/80.

Quais são os níveis considerados anormais de pressão?

Pressão alta leve – Entre 140-159/90-99.

Pressão alta moderada – Entre 160-179/100-109.

Pressão alta severa – Acima de 180/110.

Como agir em cada situação?

Pressão ótima – Checar a cada 2 anos.

Pressão normal – Checar anualmente.

Pressão alta leve – Checar a cada 2 meses.

Pressão alta moderada – Iniciar avaliação e tratamento em 1 mês.

Pressão alta severa – Iniciar avaliação e tratamento imediatamente.

Quais são os tipos de hipertensão que existem?

Hipertensão primária ou idiopática – Corresponde a 90% dos casos e leva esse nome por não ter uma causa definida. A hipertensão primária se desenvolve lentamente e não apresenta sintomas.

Hipertensão secundária – Corresponde a 10% dos casos e, ao contrário da primária, tem causa conhecida. Entre outras causas, estão diabetes melito, disfunção da tireoide e problema neurológico.

Quais são os principais órgãos atingidos pela hipertensão?

Coração: Angina, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca e hipertrofia do ventrículo direito são apenas alguns males que a hipertensão pode provocar no coração. Exames, como eletrocardiograma e ecocardiograma color doppler, são essenciais para detectar, o mais precocemente, eventuais problemas cardíacos.

Cérebro: Há o risco de sérias complicações neurológicas, como a obstrução ou ruptura de um vaso cerebral, por exemplo. Os sinais dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) dependem da área afetada, mas podem incluir dificuldade para falar ou movimentar um lado do corpo.

Rins: A hipertensão, principalmente a mais severa e prolongada delas, afina as artérias que levam sangue ao filtro renal, reduzindo sua eficiência e causando insuficiência renal. Os sintomas são: perda de apetite, fraqueza, náuseas, vômito e dor de cabeça.

Olhos: A doença pode causar, ainda, uma doença ocular conhecida como retinopatia hipertensiva. À medida que a pressão arterial aumenta, aumenta também a perda de sangue na retina. Tal alteração prejudica a visão se não for tratada em tempo hábil.

Fonte: Revista Viva Saúde

Artigos Relacionados:

5 ideias sobre “5 verdades sobre a hipertensão

  1. ruberval schulz

    tenho 47 anos ,a quase um ano descobri que sou hipertenso,com as dicas deste saite me ajuda muito,aprendo o que e bom e o que ruim para pessoas hipertensas.isso me ajuda muito.

  2. gildete morais

    Adorei essas informações sore a hipertensão arterial. Muito exclarecedora.e de facil entendimento.

  3. Alonzio Amaral

    Descobri que sou hipertenso, mas não tenho problemas cardíacos, nem glicose alta e nem colesterol. Minha pergunta é a seguinte: Eu posso continuar praticando musculação que é uma paixão que tenho?

  4. Andressa Beatriz

    Adorei a materia, sou gestante a mais de um mes, e sou hipertença. Ainda estou para consultar esse mes, e me desisperei por ter pressao alta. Achei esse artigo instrutivo, e espero q possa ajudar muitos.

  5. antonio gilson da silva

    achei muita boas a informações contidas. gostaria de saber porque minha pressão é mais alta quando acordo. obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>